quarta-feira, 13 de junho de 2018

http://www.mallarmargens.com/2018/06/a-dissolucao-dos-dias-poemas-de-milton.html

segunda-feira, 11 de junho de 2018

           EM BREVE PELA EDITORA PENALUX O MEU DÉCIMO SEGUNDO LIVRO


                                             "SOBRAS EM PROSA"


                                                 A G U AR D E M

quinta-feira, 3 de maio de 2018


Foto: Divulgação

REZENDE. Milton Carlos. O ACASO DAS  MANHÃS. São Paulo: Edicon, 1º Ed, 1986.

Após nos fascinar com sua escrita em “Mais uma xícara de café” (Ed. PENALUX, 2018), Milton Rezende retorna ao nosso blog com mais uma de suas obras emblemáticas e encantadoras, desta vez o livro é “o acaso das manhãs”, publicado em 1986 pela Edicon. Em uma narrativa linear – como um conto que segue uma ordem cronológica – Milton nos convida à conhecer o mundo sensível dos sentidos aflorados de nosso cotidiano. Em 77 páginas, o autor tece uma narrativa instigante acerca dos sentimentos humanos, das fraquezas, ilusões, e sobretudo, da sensibilidade que envolve o existir.  

O poema de abertura desta obra foi intitulado de “Noturno”, onde o autor mostra-nos a fragilidade dos sentimentos que envolvem a existência do homem, uma vez que, nossos passos são como a vida – ela passa – e inevitavelmente outros passos cobrirão os nossos e virão sucessivamente, até que se cumpra um ciclo de caminhadas para rumo algum.

Se Delimitarmos este pequeno espaço
Onde está agora o número 38 de meus pés
É certo não haver convergência de um todo
Pois sou muitos na unidade do nada
E caminhamos divorciados no tempo.
(NOTURNO, p. 09)

Mas é claro que ao abordar a vida de forma tão singela – e sensível – o autor trabalhou também as questões que envolvem todos os momentos do homem com relação a sua busca por saciedade:

Um momento cristalizou
Todos os outros momentos
Um momento trouxe à tona
Todos os outros momentos
De uma sublimação dissimulada.
Um momento estabeleceu o paradoxo
Entre o que se quer concretamente
E o que se assume perante a consciência
Para fugir do inevitável.
(UM MOMENTO...TODOS OS MOMENTOS, p. 25)

E por fim, em um dos poemas presentes na página número 46, o autor após desenhar o perfil do humano como sendo sensível em demasia, decide esclarecer toda esta complexidade por trás dos sentimentos e arrependimentos que carregamos, tudo isso em considerações a respeito do homem.
O homens
Não sabem que são homens
Se soubessem, rejeitariam o nome.
(p.46)

É claro e certo que todos nós encontramos uma nova fraqueza e um novo motivo para desistir a cada amanhecer. E é exatamente sobre isto que esta obra retrata: Sentimentos que se perdem e pessoas que não se definem como sendo quem são, afinal, seus sentimentos e sua existência são demasiadamente sensíveis demais para lhe permitir sentir.

A obra é tão intensa quanto a escrita mais recente do autor na obra citada no início desta resenha. Um bom poema mantém em si a essência de uma boa escrita e de um misto de sentimentos. E isto, Rezende nos promove com eficiência.


FONTE: https://www.proximoparagrafo.com.br/2018/05/resenha-236-o-acaso-das-manhas-de.html

sexta-feira, 30 de março de 2018




LITERATURA
BREVIÁRIO DE AFETOS
Conhecido como poeta e crítico literário, Ivo Barroso é essencialmente tradutor. Sua tradução da Poesia completa e da Prosa poética de Rimbaud está, sem favor algum, entre as realizações mais perfeitas de um autor francês para o português, e contam com a vantagem – que para outros seria descrédito – de figurarem numa edição bilíngue, extremamente vantajosa para o leitor comum. Não há dúvida que esse trabalho de tradutor teve diversos desdobramentos, a tal ponto que seu nome, além dos prêmios recebidos, é geralmente apreciado pelos teóricos da tradução, como Paulo Rónai. Aqui, porém, cuidaremos de outra faceta de Ivo Barroso. Breviário de afetos (São Paulo: SESI-SP editora 2107) compreende crônicas, entrevistas e postagens escritas com simplicidade e que, em alguns casos, surpreendem pelas “revelações” que contêm. O livro fala dos conhecimentos do autor, sobretudo os escritores brasileiros mais ilustres ou destacados, como Alceu Amoroso Lima, Carlos Drummond de Andrade, Manuel Bandeira, Guimarães Rosa, Ferreira Gullar, etc., mas também do tradutor francês Didier Lamaison (que publicou, em dois volumes, traduções de poemas de Drummond) e se refere a outros tradutores, como o alemão Curt Meyer-Clason, e os brasileiros, Onestaldo de Pennafort e Milton Amado, que traduziu “ O corvo” de Edgar Poe.
Todos os textos de Ivo Barroso são redigidos sem a preocupação de exibir conhecimentos, o que aumenta o interesse que despertam. Seja nas recordações sobre escritores já falecidos, como Antônio Houaiss, Otto Maria Charpeaux, João Cabral de Melo Neto, (uma entrevista), Paulo Rónai, Melo Nóbrega, Antônio Carlos Villaça, Mário Faustino, Anísio Teixeira, seja quando aborda amigos e parentes fora da literatura, Ivo Barroso alcança um nível de empatia extraordinário, quase como se o leitor estivesse sentindo, ou até “vendo” a figura retratada. Em todos os tipos desenhados e/ou revividos, distinguem-se o perfil de Edgard de Vasconcellos Barros, incentivador do adolescente Ivo e o de seu tio Pedro, outro que também incentivava o jovem Ivo. E, acima de tudo, o belo texto sobre a namorada – e depois esposa – Sílvia, verdadeiro exemplo de prosa poética, no qual comemora o fato de já estarem casados há 60 anos! Ademais, convém igualmente referir os textos sobre Karlos Rischbieter, cuja devoção ao poeta Rilke o levou a traduzi-lo. A propósito, notem-se reproduções de textos seus ou alheios, sejam traduções de poesia, seja o prefácio redigido para um livro de Gullar. De todo modo, um volume de leitura imprescindível.
FERNANDO PY (Tribuna de Petrópolis, 19.01.2018)

quinta-feira, 22 de março de 2018

RETORNO

finalmente consigo acessar meu blog www.estantededopoeta.com.br
foi um grande hiato temporal: estive hospitalizado, perdi a senha e nada dava certo.
mas encontrei pessoas dispostas a reativar e depois de muitas idas e vindas ele ressurgiu.
prometo de agora em diante postar textos e poemas, fotos, música, enfim, o que me der na telha.
espero conseguir alguns abnegados seguidores e igualmente conseguir alguns feedback que antes nunca houve.
vamos então começar meus amigos.

Milton Rezende

domingo, 8 de maio de 2016

O FRATERNO VERSO: SOBRE A POESIA DE MILTON REZENDE


Os poemas de Milton Rezende são uma dessas inesperadas descobertas que acontecem na vida, e como tantas coisas na vida, sua poesia se revela uma coisa à primeira vista e, depois, quando nos tornamos mais próximos, revelam outra natureza. Foi fundamental, para descobrir a segunda natureza da poesia de Milton, a leitura de Tempo de poesia: intertextualidade, heteronímia e inventário poético em Milton Rezende, estudo de Maria José Rezende Campos, uma análise precisa e íntima dos poemas e do poeta.
Inventário de sombras foi o primeiro livro de poemas de Milton Rezende que eu li, e era o quinto publicado pelo autor. Eu fora ao evento de lançamento a convite de sua irmã, Maria José, minha aluna no curso Poesia brasileira: enfoques do Programa de Mestrado em Letras do Centro Ensino Superior de Juiz de Fora. Após comprar o exemplar, procurei um lugar do lado de fora para folhear o livro com um pouco mais de atenção, e logo o primeiro poema -“Situação”- me pegou. Os outros poemas, como “Árvores” e “O trabalho dos dias”, intensificaram a minha surpresa diante de um poeta de escrita tão refinada, familiar aos leitores da poesia moderna, mas ao mesmo tempo estranha aos leitores da atual poesia contemporânea.
No dia seguinte, ao encontrar com a Maria José na sala de aula, revelei: “Fiquei com a impressão de que o Milton escreve sobre o seu tempo do século XIX”. Percebo agora como essa frase não tinha o menor sentido, mas ela entendeu claramente, e completou: “Ah, então o senhor vai gostar de A sentinela em fuga e outras ausências”.
Os poemas de A sentinela em fuga confirmaram a impressão inicial: há nos versos de Milton Rezende um tom de desolação, às vezes uma morbidez, que o aproxima da poesia simbolista-decadentista (ou penumbrista), porém sem soar datado ou ultrapassado, são estranhamente contemporâneos.
Essa primeira natureza da poética miltoniana é revelada com muita acuidade intelectual por Maria José, nos capítulos “Milton Rezende e o processo de criação” e “Espectros do spleen em Milton Rezende”. A partir de uma apresentação panorâmica da presença fantasmática do Romantismo na poesia do século XX, por causa da “tendência ao subjetivismo e do individualismo evidenciado no uso da primeira pessoa”, a autora aproxima os poemas de Milton ao universo finisecular e soturno de Álvares de Azevedo e Augusto dos Anjos, para concluir: “Milton Rezende é um herdeiro da literatura ocidental produzida até agora. Seus poemas releem um tema caro ao romantismo, a morte. Sua paixão por cemitérios, velórios e ritos de morte é combinada à abordagem de temas contemporâneos e uma visão crítica da sociedade”.
A intertextualidade é uma práxis do poeta moderno, como reflete T.S. Eliot no fluente ensaio “Tradição e talento individual”, é um modo de o poeta atuar criticamente dentro do repertório da tradição, elaborando suas preferências e reelaborando os códigos poéticos tradicionais em uma dicção própria. Nesse sentido, Maria José argumenta, a modernidade do projeto poético de Milton reside em sua “autoconsciência reflexiva”, no qual a paródia intertextual de poetas como Manuel Bandeira e Carlos Drummond de Andrade, potencializa sua crítica à modernidade e à “angústia existencial na sociedade de consumo”.
Nesse ponto, destaca-se o trabalho analítico de Maria José em localizar não só as influências presentes na escrita de Milton, mas principalmente em demonstrar, através de sua obra, o modus operandi da própria poesia moderna, na qual a paródia é uma forma crítica tanto para se incorporar a uma tradição consolidada quanto para atualizar determinados procedimentos formais. O make it new de Ezra Pound como princípio formal. No caso de Milton Rezende, um dos procedimentos atualizados é o recurso à heteronímia para explorar os limites da representação e da subjetividade do eu-poético após a modernidade. Logo é de capital interesse o capítulo “Heteronímia em Milton Rezende”.
Fernando Pessoa é uma presença forte na arquitetura poética de Milton, explicitada no poema “Pessoa”, dedicado a Alberto Caeiro, presente em Inventário de sombras. Porém, no mesmo volume, encontramos outros exemplos menos explícitos. Façamos uma comparação entre estes versos:



Há na rua uma árvore
cuja beleza consiste
apenas em existir e
estar ali, ao vento.
[...].
Esta árvore não diz nada
de coisa nenhuma. A metafísica
está no bêbado que lhe atribui
significados além do estar-ali.
[...]. (Milton Rezende)

            E estes:
Há metafísica bastante em não pensar em nada.
Que ideia tenho eu das cousas?
O mistério das cousas? Sei lá o que é mistério.
O único mistério é haver quem pense no mistério. (Alberto Caeiro)
                                             
                                             
            Como podemos observar, o processo intertextual vai além da incorporação de procedimentos poéticos, envolve o compartilhamento de certa perspectiva sobre a existência, uma ênfase na inutilidade de uma atitude contemplativa no ritmo de vida apressado do nosso tempo. No caso de Milton, tal ênfase se realiza no final irônico do poema, quando o poeta volta “puto para casa” após um carro passar na rua arrancando as folhas da árvore.
            Esse senso de humor cáustico é a segunda natureza da poética de Milton Rezende. Mesmo tematizando questões como a condição do eu-lírico em um mundo totalmente desencantado, adotando muitas vezes uma atitude melancólica irônica, seu pessimismo nunca é da ordem do conformismo, antes é uma forma de nos despertar contras as formas de dessensibilização da vida.  
            Eu não chegaria a essa conclusão sem o precioso estudo de Maria José, sem o seu olhar fraterno e sua inteligência generosa. Muito obrigado.

Anderson Pires da Silva
Juiz de Fora, 2 de novembro de 2014.

             

quarta-feira, 10 de setembro de 2014


SINOPSE

            O autor deste livro realizou, a meu ver, uma curiosa e estranha síntese da inteligência e do obscurantismo. Foi a impressão que me ficou e veio de chofre. Admirei a inteligência e, ao mesmo tempo, o obscurantismo na elaboração do tema que às vezes resvala para o pitoresco, o macabro e as significações ocultas. É um assunto interessante, sem dúvida, mas cheio de dificuldades e armadilhas para o pesquisador mais afoito. No entanto, o autor – não sendo um professor, teórico ou acadêmico – consegue a proeza de contornar os obstáculos com a maestria de um poeta.
            Por que escrever sobre a morte, os cemitérios e as suas paisagens desoladas de cruzes e sepulturas? Simplesmente porque alguém tem que fazê-lo. E há, naturalmente, toda a magia e um grande mistério envolvendo o assunto. Não dá mesmo para fugir dele, contornar, fingir que não existe. Acontece todos os dias e com todas as pessoas: a realidade e a presença da morte estão sempre aí, desafiando os nossos medos e a nossa compreensão da vida.
            E há também a arte tumular, secular maneira de prestar homenagem aos entes queridos que se foram. De onde vem isso? O livro tenta responder a questão e, para tanto, procura diversas abordagens possíveis num elenco de inesgotáveis possibilidades: cultural, artística, histórica, psicológica, sociológica, antropológica, religiosa, filosófica e existencial. Há de tudo aqui, numa mistura multidisciplinar de permanente diálogo entre as vertentes do pensamento.

Por Ferreira Jr.